Menino desaparecido durante 10 anos é adotado pela própria mãe

A vida de Gabriela Suárez deu uma reviravolta completa quando ela estava a levando o seu filho de 3 anos para a escola e se distraiu por alguns segundos, acabando por perdê-lo de vista. Depois de horas à procura dele, Gabriela achou que nunca mais o veria.

Depois das primeiras horas, um grupo grande de mães da mesma escola reuniu-se para iniciar a busca pelo pequeno Bernardo juntamente com a polícia, mas tudo indicava que a criança tinha desaparecido sem deixar vestígios.

Gabriela conta que nunca pensou que o seu filho estivesse morto e esperava encontrá-lo um dia, mas o seu marido achava que isso era impossível e que ela estava obcecada. Devido a essa diferença, o casamento acabou terminado.

A procura por Bernardo foi diminuindo com o passar dos 10 anos, mas Gabriela esteve sempre trabalhando em associações de busca, localizando crianças desaparecidas, com detetives particulares e delegacias para tentar encontrar vestígios do seu filho perdido.

Isso acabou por levá-la a aproximar-se de lares adotivos e abrigos para crianças sem pais ou com problemas em casa. Numa dessas casas, um médico aproximou-se dela e perguntou-lhe: “Porque é que você não dá o seu amor a uma criança que precisa dele até encontrar o seu filho?”.

Gabriela começou a pensar cada vez mais nessa opção e foi então que conheceu Tomás, um menino de 13 a 14 anos que lhe chamou a atenção. O jovem não brincava com ninguém e ficava sempre quieto em um canto fazendo desenhos.

Da primeira vez que esteve com Tomás, Gabriela aproximou-se e perguntou se podia ver o lindo desenho dele. O jovem disse que sim e entregou-lhe o papel, onde era possível ver uma mulher sorridente desenhada com as mãos estendidas.

“Quem é ela?”, perguntou Gabriela. “Essa é minha mãe feliz. Uma vez a minha mãe era feliz, mas um dia ela ficou muito zangada. Eu gosto de lembrar o rosto dela feliz”, explicou o jovem.

“Sinto muito, Tomás. Onde está a tua mãe agora?”, questionou Gabriela, ao que o menino encolheu os ombros e se afastou, começando a chorar. No final, disse-lhe que a mãe bebia demais foi então que Gabriela resolveu, num impulso, abraçá-lo. O menino retribuiu o abraço e Gabriela sentiu as lágrimas do menino no seu rosto.

O médico que tratou de Tomás revelou posteriormente que foi a primeira vez que ele viu a criança conectar-se com alguém assim. Depois disso, Gabriela decidiu de uma vez por todas dar a casa de Bernardo a Tomás, que ela sabia que precisava tanto.


A partir desse dia, a vida de Tomás mudou radicalmente. Quando chegou a casa de Gabriela tornou-se uma criança muito feliz, embora no início não tenha sido fácil para eles se adaptarem ao estilo de vida que viviam separadamente. Contudo, a paciência de Gabriela foi maior e venceu tudo.

Um dia, ela ouviu-o cantarolar uma música que a deixou em choque. Ela nunca o tinha ouvido cantar até então, mas não foi isso que mais chamou a sua atenção.

A sua surpresa foi enorme porque, ao ouvir a música que Tomás estava a cantarolar, soube exatamente que melodia era: era a canção de embalar que inventara para Bernardo.

Sem hesitar, decidiu investigar como é que o jovem conhecia aquela música perfeitamente. O menino olhou para ela, sorriu e disse que aquela era a música que a “mãe feliz” lhe cantava sempre, e que o fazia sorrir.

Gabriela ficou pasmada, olhou para Tomás e reparou que ele tinha cabelos escuros e olhos castanhos como o Bernardo, mas essas são características que milhões de meninos no mundo inteiro têm! Seria possível tratar-se do filho que lhe foi roubado há mais de 10 anos?

“Estou imaginado coisas”, pensou ela, mas saiu para comprar um kit de DNA e usou-o. Após retirar uma amostra para análise e a levar para o laboratório, recolheu os resultados num envelope selado e foi direto para casa. Eles tinham que saber a verdade. Ali, à frente de Tomás, Gabriela leu o resultado e caiu de joelhos em frente ao jovem. Confirmava-se: Tomás era mesmo o Bernardo!

Como era possível? O que lhe tinha acontecido há tantos anos? Essas foram as perguntas que Gabriela começou a fazer ao recém-descoberto Bernardo, que lhe contou onde havia crescido e como chegou ao lar adotivo.

Sem dizer nada, Gabriela ouviu Bernardo começar a descrever a mulher com quem ele cresceu, mas que sabia que não era sua mãe.

Foi então que Gabriela decidiu ir visitá-la e reclamar tudo o que ela os fizera passar. Chegando na porta da cada da mulher, bateram até que uma senhora visivelmente doente saiu e perguntou quem eram.

“Você levou o meu filho, monstro! Você tirou-me o meu bebê, a minha felicidade, e abusou dele, para no final o mandar embora! Agora, eu quero que você lhe diga a verdade!”, gritou Gabriela.

A soluçar, a mulher admitiu tudo. “É verdade, Tomás. O meu filho morreu num acidente de carro porque estava bêbado e eu precisava de o ter de volta, então roubei-te da sua mãe verdadeira”, disse.

O menino, sem saber o que estava a acontecendo, voltou-se para Gabriela e perguntou-lhe: “Você é a minha mãe feliz?”, e foi aí que ela decidiu compartilhar toda a história com o jovem.

Depois de todo o alvoroço, Gabriela decidiu depor para a polícia com as provas em mãos. Sem muita investigação, a mulher que roubou Bernardo foi considerada culpada de privação de liberdade e sequestro.

A mulher alegou que foi apenas uma tentativa de preencher o vazio que o verdadeiro Tomás havia deixado na sua vida, e pediu para ser tratada apenas pelo alcoolismo. Quanto ao jovem, este decidiu não prestar queixa, e Gabriela decidiu apoiá-lo em todas as suas decisões a respeito do ocorrido.

Atualmente, vivem felizes e ele decidiu descartar o nome de Bernardo, já que Tomás é o nome que o menor identifica como seu, o nome da criança que encontrou a sua verdadeira mãe e o nome que marcou a sua vida.

Fonte: partilha

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!