Aluno que fazia faxina e estudava no banheiro passa em Medicina na USP

O estudante, Guilherme Nobre, de 19 anos, foi aprovado para estudar no curso de medicina da USP. Morador de Santos, no litoral paulista, fazia faxina nas horas vagas para pagar o cursinho pré-vestibular e ,às vezes, estudava dentro de um banheiro de um posto de gasolina na sua cidade.

Guilherme, em entrevista ao G1, disse que sua mãe é frentista e quando saía do colégio passava no posto, tomava um banho e aproveitava para estudar.

Guilherme e sua a professora Eliane: Fotos: Nathalia Alcatrão / arquivo pessoal

“No terceiro ano do ensino médio eu já estava focado, então comecei a fazer cursinho. Na época, era colégio de manhã, técnico de tarde e o cursinho de noite. Foi bem corrido”, relatou o jovem.

O estudante explica que na época não concluiu o cursinho, porque além de ser caro, precisava concluir o ensino médio, visto que estava no terceiro ano, e também o curso técnico.

E, apesar de todo esforço e estudar seis meses dentro de um banheiro, não foi o suficiente para passar. A mudança aconteceu, quando conheceu a professora Eliane Limonti, administradora de um cursinho.

“Ela me deu uma bolsa e, em troca, eu tinha que organizar as coisas, limpar as salas, passar um pano em tudo, trocar o lixo e lavar os banheiros. Eu dependia daquilo para alcançar meu sonho, então se tornaram coisas simples”, disse ao G1.

Em 2017, fez o ENEM e na sua primeira tentativa não conseguiu passar, mas continuou focado nos estudos.

Leia mais:

+ Mulher com 39 anos de idade tem 38 filhos biológicos e todos do mesmo homem; e é considerada a mais fértil de todas

+ A piada contada por este homem destruiu mais de 4 mil relacionamentos; entenda o caso

Em 2018, três meses antes de fazer o ENEM, sua avó faleceu em resultado de complicações de um AVC. Inscrito no SISU (Sistema de Seleção Unificada), no fim de janeiro soube que tinha passado no curso de medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Embora feliz com a aprovação, se inscreveu na USP de Ribeirão Preto e quando o resultado saiu, Guilherme foi classificado em quarto lugar dos aprovados em medicina, entre apenas quatro vagas disponíveis para cotistas. “Senti como se eu tivesse ganho na loteria”, brincou.

Gostou dessa história motivadora? Gostaríamos de saber sua opinião!

Compartilhar