Crianças de 4 anos hospitalizadas pela mesma doença rara reencontram-se e casam 20 anos depois

No ano de 1995, Cameron e Emily, crianças de 4 anos, foram internados no hospital Johns Hopkins em Baltimore, Maryland.

Os dois sofriam de extrofia da bexiga, uma condição rara, e com o tempo desenvolveram uma amizade muito forte que resistiu ao passar dos anos.

“Extrofia de bexiga é um defeito congênito que consiste de uma má formação da bexiga e uretra, na qual a bexiga fica exposta para fora do abdome”, explica o site Fetalmed.

No ano de 1995, Cameron e Emily, crianças de 4 anos, foram internados no hospital Johns Hopkins em Baltimore, Maryland.

Os dois sofriam de extrofia da bexiga, uma condição rara, e com o tempo desenvolveram uma amizade muito forte que resistiu ao passar dos anos.

“Extrofia de bexiga é um defeito congênito que consiste de uma má formação da bexiga e uretra, na qual a bexiga fica exposta para fora do abdome”, explica o site Fetalmed.

 

 

Cameron e Emily se apaixonaram, e no secundário já sentiam que queriam ficar juntos para sempre, mas como eram de cidades diferentes, tiveram de manter uma relação à distância durante algum tempo.

Em novembro de 2012, Cameron finalmente pediu a mulher dos seus sonhos em casamento, e em 2015 os dois se casaram, compraram uma casa e passaram a viver juntos, como queriam há tanto tempo.

No entanto, descobriram que Emily estava grávida, e ficaram radiantes, mas não conseguiam por de lado a preocupação que o bebê nascesse também com extrofia da bexiga.

 

Felizmente, numa das ecografias os médicos informaram o casal de que o bebê era totalmente saudável.

Passados alguns meses, uma menina linda chamada Everleigh Grace nasceu e veio completar a vida do casal.

“Embora houvesse momentos em que me perguntei porque é que o Cameron e eu fomos escolhidos para suportar a dor que acompanha a extrofia da bexiga, agora entendi. Eu viveria tudo 100 vezes, para ser recompensada com esta vida louca e bonita, ao lado do meu marido incrível e da minha menina linda”, diz Emily.

Cameron e Emily se apaixonaram, e no secundário já sentiam que queriam ficar juntos para sempre, mas como eram de cidades diferentes, tiveram de manter uma relação à distância durante algum tempo.

Em novembro de 2012, Cameron finalmente pediu a mulher dos seus sonhos em casamento, e em 2015 os dois se casaram, compraram uma casa e passaram a viver juntos, como queriam há tanto tempo.

No entanto, descobriram que Emily estava grávida, e ficaram radiantes, mas não conseguiam por de lado a preocupação que o bebê nascesse também com extrofia da bexiga.

Felizmente, numa das ecografias os médicos informaram o casal de que o bebê era totalmente saudável.

Passados alguns meses, uma menina linda chamada Everleigh Grace nasceu e veio completar a vida do casal.

“Embora houvesse momentos em que me perguntei porque é que o Cameron e eu fomos escolhidos para suportar a dor que acompanha a extrofia da bexiga, agora entendi. Eu viveria tudo 100 vezes, para ser recompensada com esta vida louca e bonita, ao lado do meu marido incrível e da minha menina linda”, diz Emily.

Compartilhar