Ela morava em um lixão da cidade e nunca tinha ido à escola: hoje ela está na universidade

Sophy Ron passou oito anos da sua infância cercada por lixo e gases tóxicos enquanto vivia num famoso depósito de lixo no Camboja apelidado de “Montanha Fumegante”.

Menos de uma década depois de escapar, a jovem de 21 anos está prestes a começar a estudar na Universidade de Melbourne, Austrália, e sonha ter o seu próprio negócio.

A sua antiga casa, o aterro sanitário Steng Meanchey em Phnom Penh, há muito que é um símbolo da pobreza do país.

Todos os dias, milhares de pessoas vasculham o local na esperança de encontrar alimentos comestíveis e recicláveis para vender.

Num dia bom, Sophy ganhava 50 centavos, o suficiente para algumas xícaras de arroz para dividir com os seus pais e seis irmãos.

“Eu não sabia que era fedorento, não sabia que era sujo. Eu dormia lá, comia lá, fazia de tudo lá, era simplesmente a minha casa, tudo o que eu sempre conheci”, explicou.

 

Segundo a jovem, dívidas enormes deixaram a sua família sem escolha a não ser morar no aterro.

A escola local só ofereceu uma vaga para uma criança por família, então Sophy perdeu a oportunidade de estudar.

Ela disse que seguiu a irmã mais velha para a escola e aprendeu o que podia ver pelas janelas da sala de aula.

Lọ Lem nhặt rác ở Campuchia đổi đời nhờ học giỏi - VietNamNet

Felizmente, a sua vida mudou depois de um encontro casual no lixão com Scott Neeson, o fundador do Fundo para Crianças do Camboja (CCF).

“Ele perguntou se eu queria estudar inglês e, naquela ocasião, eu não fazia ideia do que era inglês. Corri para casa feliz porque ele prometeu que me levaria para a escola”, lembra.

A instituição de caridade do Sr. Neeson, apresentada pela ABC’s Australian Story em 2012, ofereceu educação, moradia e tratamento médico a milhares de pessoas no Camboja desde a sua criação em 2004.

A taxa de pobreza no Camboja caiu de 53% em 2004 para 13,5% em 2014, de acordo com a UNICEF, mas as condições de vida das crianças continuam precárias.

Num relatório de 2018, a agência das Nações Unidas disse que 1/3 das crianças com menos de 4 anos sofria de nanismo e cerca de metade com idade entre os 5 e os 14 anos não tinha acesso a banheiros adequados.

Sophy disse que se lembra vividamente do seu primeiro dia de escola, aos 11 anos, quando pela primeira vez viu grupos de crianças rindo e brincando.

Com tempo, ficou claro que a jovem aprendia rapidamente e era uma boa comunicadora, então em 2016 estava no palco a apresentar uma Tedx Talk em inglês.

Através do CCF, Sophy conseguiu obter uma bolsa de estudos para completar um ano de estudos no Trinity College da Universidade de Melbourne, Austrália, e formou-se em junho, abrindo caminho para começar o bacharelado em artes.

Embora Sophy adore a vida em Melbourne, esperava voltar para casa para abrir um negócio e continuar trabalhando com o CCF.

A sua história edificante de transformação foi apresentada localmente do Camboja nas últimas semanas, e Sophy disse que esperava que encorajasse outras pessoas a doar para instituições de caridade.

“Não consigo descrever o sentimento. Tenho esta mensagem ao longo da minha jornada de vida: não desista, independentemente das circunstâncias”, concluiu a jovem.

Fonte: Partilha

Compartilhar