Ex-morador de rua que viveu 5 anos na rodoviária forma-se em Direito

Esta é a história de Walisson Pereira da Silva, um jovem de 32 anos, que recentemente se formou em Direito, realizando o sonho da sua vida.

Walisson conseguiu conciliar noites mal dormidas na rodoviária do centro de Brasília e o resto de comida no lixo, com os estudos diários em bibliotecas públicas.

O jovem fugiu de casa pois sofria de violência e o pai obrigou-o a deixar a escola aos 18 anos, quando estava no 9º ano. Em 2003, voltou a sofrer de violência na rua, e viu muitos crimes.

Felizmente, tudo mudou quando encontrou um indivíduo numa paragem de ônibus, que percebeu o quanto Walisson queria estudar para poder melhorar a sua qualidade de vida.

Então, deu-lhe um comprovante de moradia, que possibilitou a Walisson inscrever-se numa escola pública e terminar os estudos.

“Eu ia sujo para a sala de aulas, passava a noite acordado pedindo esmola, acordava com o sol queimando o meu rosto. Era uma saga triste”, conta o jovem.

Em 2010, Walisson conseguiu terminar o ensino secundário, e preparava-se para fazer o exame nacional.

Sempre que podia, o jovem passava o seu tempo na biblioteca pública, e na universidade, totalmente financiada, escondeu aos colegas o que realmente se passava, dizendo que ia sujo para a sala por vir do trabalho.

“Mantive em segredo para não saberem a minha condição, mas tinha a certeza que ia conseguir vencer”, diz Walisson.

No ano de 2016, perto de concluir o curso de Direito, o jovem arranjou um estágio remunerado e finalmente conseguiu arranjar uma casa, pagando o aluguel e as despesas.

Então, em dezembro do ano passado, Walisson acabou o curso, mas encontra-se desempregado e precisava das doações dos amigos para conseguir pagar as contas.

Ainda assim, está determinado para arranjar emprego e sonha com um futuro digno. O que motivou Walisson a tirar este curso foi viver nas ruas, pois viu muitos crimes e injustiça.

“Conhecimento é poder, e quem tem conhecimento não aceita qualquer coisa na vida como opção”, disse o jovem, que atualmente está focado em passar no exame da Ordem dos Advogados para vir a trabalhar na Defensoria Pública.

Compartilhar